novembro 21, 2011

Banho e Sabonetes


Olá pessoal.
Não podemos esquecer de uma área da casa que muitas pessoas nem ligam, o nosso banheiro.
É um espaço que usamos no nosso dia a dia e precisa estar sempre limpo, arrumado e se possível decorado.
Não precisamos de muitos esforços para deixar esse lugar agradável e aconchegante, por que não?
Existem inúmeras marcas e tipos de sabonetes, um mais lindo que o outro e mais cheiroso.
Organize esse espaço e deixe-o agradável para o momento do banho. Decore com lindos sabonetes, acenda velas e tome aquele banho gostoso e relaxante.
De preferência coloque uma música suave para tornar o seu banho ainda mais agradável.
Dica de quem faz e acontece...
Aproveitem!
Beijos.

Ahhh, para os curiosos como nós, abaixo do post tem a história dos sabonetes, muito legal, e um vídeo do Peter Paiva falando sobre sabonetes.















Maneira antiga de fazer sabonetes























































































































































Origens do Sabonete

É muito provável que o sabão tenha sido descoberto acidentalmente quando à milhares de anos o homem, se apercebeu que a gordura que caia da carne que assavam na fogueira se misturava com as cinzas de madeira e se transformava num líquido de limpeza.

Conheça as origens e a evolução do Sabonete ao longo dos séculos:

2800 A.C

A origem do sabão não é precisamente conhecida. Mas as primeiras evidências de um material parecido com o sabão, registradas na história, foram encontradas em cilíndros de barro (datados de aproximadamente 2.800 A.C. - antes de Cristo), durante escavações da antiga Babilônia. As inscrições revelam que os habitantes ferviam gordura juntamente com cinzas, mas não mencionam para que o "sabão" era usado.

1500 A.C.

Os antigos egípcios tomavam banho regularmente. O uso farmacêutico do sabão encontra-se descrito no ébers papyrus (datado de aproximadamente 1.500 A.C.). Este tratado médico descreve a combinação de óleos animal e vegetal com sais alcalinos para formar um material semelhante ao sabão, usado para tratar de doenças.
Mais ou menos na mesmo época, Moisés entregou aos israelitas leis detalhadas sobre cuidados de limpeza pessoal. Ele também relacionou a limpeza com a saúde. Relatos biblícos sugerem que os israelitas sabiam que a mistura de cinzas e óleo produzia uma espécie de pomada.


1000 A.C.

Aparentemente os primeiros gregos não usavam sabão. Eles limpavam seus corpos com blocos de barro, areia, pedra pomes e cinzas e, em seguida, ungiam seu corpo com óleo e raspavam o óleo e a sujeira com um intrumento de metal conhecido como strigil. Eles também usavam óleo e cinzas. As roupas eram lavadas nos rios, sem o uso de sabão.


600 A.C.

A invenção do sabonete é atribuída aos antigos fenícios que, 600 anos antes de Cristo, usavam terra argilosa contendo calcário ou cinzas de madeira (uma mistura pastosa) para limpar o corpo.
O conhecimento de um produto tão útil espalhou-se rapidamente ao longo das rotas de comércio através de Syria, de Palestina e de Egipto. Tendo chegado à Europa (França), através dos Fenícios, mas estranhamente os Romanos não aprenderam a arte de fazer sabão, durante um periodo de quase 600 anos.


Séc. I D.C.

No primeiro século da era cristã em Roma, sabão tingido foi usado nos cabelos ou até talvez em outras partes do corpo. Este costume foi adquirido dos gauleses. (Os antigos povos germanicos e gauleses também são reconhecidos como sendo descobridores de uma substância chamada sabão, feita de sebo e de cinzas. Eles usavam este material para tingir seus cabelos de vermelho).

Gaius Plinius Secundus (23 ou 24-79 D.C), autor da História Natural, menciona a preparação do sabão a partir do cozimento do sebo de carneiro com cinzas de madeira. O procedimento envolve o tratamento repetido da pasta resultante com sal, até ao produto final. Segundo Plínio, os fenícios conheciam a técnica desde 600 A..C.

Na época da erupção do Vesúvio em 79 D.C. (depois da era cristã), destruindo Pompéia e Herculano, uma fábrica de sabão estava entre as indústrias que foram encobertas para a posteridade.

Há uma lenda interessante (não suportada por nenhuma evidência) que explica que a palavra sabão teve sua origem derivada do Monte Sapo, lugar onde animais eram queimados em sacrifício aos deuses, uma prática comum na Roma antiga. A chuva levava uma mistura de sebo animal (gordura) derretido, com cinzas e barro para as margens do Rio Tibre. Essa mistura resultava numa borra (sabão). Os habitantes de Roma perceberam que as roupas ficavam mais limpas quando lavadas próximo aos altares de sacrifício.


Séc. II d.C.

o médico grego Galen (130-200 d. C) descreve uma técnica segundo a qual o sabão podia ser preparado com gorduras e cinzas, apontando sua utilidade para a remoção de sujidade corporal e de tecidos mortos da pele.


Século XII

O sabão sólido apareceu no século XIII, quando os árabes descobriram o chamado processo de saponificação - mistura de óleos naturais, gordura animal e soda cáustica que depois de fervida endurece.
Esta receita é originária da cidade de Aleppo na Síria, e é ainda hoje produzida e comercializada em todo o mundo. É um produto completamente natural feito artesanalmente, não contem nenhum perfume, corante, conservante ou outros aditivos. Os seus ingredientes principais são o óleo de azeitona e o óleo da folha de Louro, pode ser usado por todos, incluindo quem tenha a pele muito sensível .


Século IX

Por volta do ano 800, existiam dois grandes centros de produção de sabão, Marseilha em França and Savona em Itália. Os sabões eram feitos de óleo de azeitona e de lixívia de soda cáustica (feita através de algas marítimas)


Século XII

O primeiro fabricante de sabão em Inglaterra aparece aproximadamente 1192, Richard de Devizes, um monge, fez referência ao número dos fabriocantes em Bristol e aos cheiros desagradáveis que criaram.


Séculos XV e XVI

A fabricação do sabão era uma actividade estabelecida na Europa no fim da Idade Média. As associações dos fabricantes de sabão guardavam seus segredos industriais a sete chaves. Óleos de origem vegetal e animal eram usados com cinzas de plantas e também fragrâncias. Gradualmente, uma maior variedade de sabão foi-se tornando disponível para barbear e lavar a cabeça, bem como para o banho e lavagem de roupa.
A Itália, a Espanha e a França estão sempre entre os primeiros centros de fabricação do sabão.
Várias cidades européias tornaram-se centros produtores de sabão, na época o sabão era um produto de luxo, usado apenas por pessoas ricas.


Século XVII

Diz-se que no reino de Elizabeth I de Inglaterra o consumo de sabão era maior do que em qualquer outro país europeu. É, possível que Elizabeth I, tenha criado a moda, pois fez anunciar na corte que a rainha tomava um banho de quatro em quatro semanas "sendo necessário ou não".
Mais tarde, o sabão sofreu uma série de restições e uma pesada carga tributária sendo taxado como ítem de luxo, (Embora uma barra de sabão apenas custasse 2 libras, tinha-se que pagar um imposto de 3 libras, por essa barra). Só em 1853 é que a taxa foi abolida em Inglaterra.


Séc. XVIII

Em 1792, a primeira patente do processo de fabricação de sabão é registada; o químico francês Nicolas Leblanc consegue obter soda caústica do sal de cozinha, (elemento activo encontrado nas cinzas, que se junta à gordura para fazer o sabão). Este processo permitiam obter grandes quantidades de soda de boa qualidade a um baixo custo, dando um grande avanço na fabricação de sabão.

Em 1789, Andrew Pears fez o primeiro sabonete transparente.


Séc. XIX

Em meados de XIX, o químico belga, Ernest Solvay, inventou o processo da amônia, onde também o sal comum era utilizado para fazer a soda. O processo da Solvay reduziu ainda mais o custo da soda e aumentou tanto a qualidade quanto a quantidade de soda disponível para a fabricação de sabão.

Em 1878, o químico James Gamble descobre como produzir sabão branco, cremoso e delicadamente perfumado. Esse novo sabão produzia uma rica espuma, mesmo em contato com a água fria, e tinha uma consistência homogênea e suave. O seu primo Harley Procter (dono de uma fábrica de velas e sabão) passa a promover esse sabonete, prevendo a invenção da luz elétrica, poderia acabar de uma vez com a seu lucrativo negócio de velas. Algum tempo depois, um descuido na fábrica levou a fabricação de um novo tipo de sabão, o Sabão de mármore.

Em 1879 foi inventado o Sabonete "Roger & Gallet" o primeiro sabonete redondo, envolto artesanalmente em papel drapeado, que actualmente ainda é fabricado.

Quando William Hesketh Lever e o seu irmão, começam a fazer sabão, em 1874, o sabão era vendido a peso e cortado directamente de uma grande barra pelo comerciante. Em 1884, revolucionaram o mercado, ao introduzirem um sabonete com embalagem e com uma marca : Sunlight Soap.
William Lever começou a utilizar uma série de óleos vegetais, em vez de apenas o óleo de azeitona e as descobertas subsequentes neste campo permitiram que o uso destes óleos se estendessem a outros produtores.

Em 1887 surgiu em Portugal, no Porto a primeira fábrica nacional de sabonetes e perfumes, fundada por dois alemães radicados em Portugal: Ferdinand Claus e Georges Ph. Schweder. Nesta época, estes produtos eram importados e vistos como um privilégio das classes sociais mais abastadas.
Inicialmente, os tinham a marca F.P.C. - iniciais de "Fábrica de Productos Chimicos CLAUS & SCHWEDER, SUCRS." -. São atribuídos nomes estrangeiros a todas as linhas, para ir de encontro aos gostos da época.

Seguem-se anos de forte expansão, à medida que o sabonete se populariza e acaba por roubar quota de mercado ao sabão grosseiro.

Actualmente ainda comercializa, e cada vez com mais sucesso, para os E.U.A, Canadá e Inglaterra através da marca Claus Porto.


Séc. XX

Durante a Segunda Grande Guerra o sabão era um produto racionalizado em muitos países, devido à escassez de óleos e gorduras para a fabricação de sabão comum. Em consequência a investigação sobre novos processo de fabrico foi acelerada, surgindo os primeiros produtos de origem sintética (detergentes, resultantes da indústria petroquímica). Com os resultados que podem ser vistos hoje nos sabonetes comerciais.

Assim surgiu um dos produtos mais usados no mundo, que hoje se apresenta nas mais diversas formas, tipos, tamanhos e cores.


Fonte: http://www.saboeiro.pt/



6 comentários:

  1. Olá !!
    parabéns pelo bLOG !!
    vcs podiam passar end. de onde encontramos alguns destes sabonetes da ilustração do POSR de HJ !!
    Att ,
    Márcia
    marcialcintra@globo.com

    ResponderExcluir
  2. Oi Márcia! Que bom que gostou do blog!
    Quanto aos endereços de venda desses sabonetes, acreditamos que ainda exista a loja LUSH em grandes shoppings de São Paulo, como o Villa Lobos por exemplo.
    Essa loja têm sabonetes lindos!
    Você pode encontrar também nas lojas L'Occitane,veja o link do site: http://br.loccitane.com/l'occitane-doces-presentes-da-provence,43,2,4555,164355.htm
    Beijos Marcia, esperamos ter ajudado...

    ResponderExcluir
  3. Oie!
    O que faço para os sabonetes da decoração não ficarem umidos?

    ResponderExcluir
  4. Oie!!!
    Adorei as dicas!
    O que faço para os sabonetes da decoração não ficarem úmidos?
    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Marcia!
      Menina, sinceramente não sei te responder a respeito da umidade, pois nunca tive esse tipo de problema...
      Quando eu souber, posto aqui.
      Beijos.

      Excluir
  5. Obrigado por postar meu sabonete DEAD Sea Mud from Natural handcrafted soap company

    ResponderExcluir

Olá, amo comentários!
Mas, desculpe-me se demorar em responder, a minha vida é uma correria e no tempo livre faço essas postagens que compartilho com você com muito carinho.
Obrigada pela sua visita, seja sempre bem-vindo (a)!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...